Muitas pessoas pensam que um nome para sua empresa ou produto deve soar como um nome de marca desde o início, parecer familiar, refletir a posição de uma marca, ser curto e não ter associações negativas possíveis. Adicionando a isso? Todas as partes interessadas devem “amá-lo”. Esses são conceitos errôneos comuns que podem impedir um processo de nomeação bem-sucedido.

Esteja você trabalhando com uma agência de nomes de marca como a Comunicação visual Curitiba ou por conta própria, será necessário tomar muitas decisões, de qual estilo e tonalidade de nome você prefere ao nível de risco que deseja tolerar em termos de marca registrada. Essas decisões nunca são fáceis.
Mas para alguns clientes, a coisa mais difícil de tudo é selecionar um nome final de um conjunto de possíveis candidatos. Felizmente, a maioria dos clientes da Comunicação visual não tem esse problema – eles passam rapidamente para o registro.

Mas, recentemente, fomos apresentados a uma empresa que procurava um nome há mais de um ano. De fato, quando chegaram à Comunicação visual Curitiba procurando Letras Caixas, Adesivos, Fachadas, ACM Curitiba haviam queimado duas agências de nomes e gastado centenas de milhares de dólares.

Comunicação visual, Comunicação visual Curitiba, Letra caixa, Comunicação visual, Letras Caixas, Adesivos, Fachadas, ACM Curitiba,

Como as agências anteriores haviam produzido alguns nomes excelentes, decidimos realizar entrevistas detalhadas com as principais partes interessadas para tentar identificar o problema. Em breve, nós o encontramos. Um dos principais tomadores de decisão julgava todos os nomes contra seis conceitos errôneos sobre nomes.

Embora esse seja um caso extremo, esses equívocos, mesmo quando em menor número, podem tornar a seleção de nomes mais dolorosa do que o necessário.

Vamos dar uma olhada.

Equívoco 1: o nome não soa como um nome de marca

Essa suposição comum mata muitos nomes maravilhosos. Por esse motivo, impressionamos todos os clientes que apenas um nome não é uma marca. No começo, é apenas uma palavra. Com design, torna-se um nome. Em seguida, através do uso, embalagem e publicidade, ele se transforma em um nome de marca.

Takeaway: um nome não é sua marca. É um pedaço de um todo maior. Além disso, leva tempo para uma empresa ou produto se tornar uma marca. Não é realista esperar que um nome pareça uma marca antes que ela exista.

Equívoco 2: o nome deve parecer familiar

As pessoas geralmente preferem o familiar ao invés do desconhecido. Essa preferência pode até estar ligada ao nosso cérebro. De uma perspectiva evolutiva, essa escolha faz sentido. Aproximar-se de um animal estranho ou comer uma planta desconhecida pode resultar em danos corporais. Mas na nomeação, o familiar é o inimigo do único.

Resumo: se um nome parecer familiar, não será único. Por outro lado, se for único, não parecerá familiar. Sempre opte pelo exclusivo.
Equívoco 3: um nome deve refletir a posição de uma marca

Muitos clientes acreditam que um nome de marca deve refletir o posicionamento de seu produto ou empresa. Essa é uma abordagem para nomear, mas não é necessária, e às vezes nem mesmo a melhor.

Comunicação visual, Comunicação visual Curitiba, Letra caixa, Comunicação visual, Letras Caixas, Adesivos, Fachadas, ACM Curitiba,

Por exemplo, o posicionamento das águas da dica é “Criamos produtos que as pessoas gostam de usar, para que possam viver vidas mais saudáveis”.

O nome da marca da Hint, no entanto, não tem nada a ver com vidas mais saudáveis. E, no entanto, é um ótimo nome.

Para viagem: não rejeite nomes porque eles não estão vinculados à posição da sua marca. Em alguns casos, é melhor deixar o posicionamento se desenvolver durante o processo de nomeação, em vez de forçar os nomes a refletir uma posição previamente estabelecida.

Equívoco 4: Um nome não deve ter associações negativas

Escusado será dizer que você deve evitar nomes obscenos ou ofensivos. Mas um nome com uma pequena margem ou estranheza não é uma coisa ruim.

Em peças de teatro, filmes e romances, o vilão é quase sempre mais interessante que o herói. Eles apimentam a narrativa e podem inspirar uma estranha mistura de simpatia e repulsa.

Por analogia, os vilões da nomeação são os que invocam coisas que, à primeira vista, podem parecer negativas – por exemplo, nomear uma grande máquina após um bug squishy (Caterpillar) ou um poderoso mecanismo de busca com uma palavra que soa como um bebê balbuciante (Google).

Independentemente das associações ímpares do Google e dos outros, esses são nomes de primeira classe.

Resumo: Se você começar a jogar o jogo de “detetive negativo”, sempre poderá criar associações e conotações indesejáveis ​​para quase qualquer nome. Amazônia? Bugs e headhunters. Samsung? Parece um problema. Por esse motivo, evite submeter potenciais candidatos a nomes a esse tipo de julgamento.

Equívoco 5: Um nome deve ser curto para ser memorável

Os clientes geralmente pedem que suas agências de nomes criem nomes hiper-curtos, porque a sabedoria tradicional sustenta que os nomes curtos são mais memoráveis ​​que os longos. Isto simplesmente não é verdade.

Muitos nomes curtos são completamente esquecíveis, enquanto nomes mais longos, como Anthropologie (roupas / artigos para o lar), Citizens of Humanity (jeans) e Young Living Lavender Farm (fazenda de ervas e destilaria) – são ricos em associações e conotações.

Dito isto, os nomes também não devem ser muito longos. Você não deseja cansar os dedos dos clientes quando eles digitarem seu nome nos teclados. E você certamente não deseja que eles reduzam o nome para um acrônimo suave.

Comunicação visual, Comunicação visual Curitiba, Letra caixa, Comunicação visual, Letras Caixas, Adesivos, Fachadas, ACM Curitiba,

Resumo: Desde que seja fácil dizer, o número de palavras em um nome – a menos que precise caber em um pequeno pacote – é menos importante do que o que o nome evoca.

Equívoco 6: Um nome não vale a pena, a menos que você “ame”

O amor pode fazer o mundo girar, mas nunca deixe um nome de lado porque você não o ama. Em vez de esperar que potenciais candidatos a nome sejam amantes, tente vê-los como amigos.

Como a amizade, os nomes adquirem poder ao longo do tempo. E é perfeitamente possível que, com embalagem, design, uso e publicidade, um nome possa evoluir para um caso de amor lendário.

Igualmente importante, o romance precisa ser temperado pelas realidades da marca registrada. No Instituto de Marcas e Patentes dos EUA (USPTO), existem milhões de marcas registradas. Quando você considera registros internacionais e direitos de direito consuetudinário, encontrar um nome com um nível de risco razoável é extremamente desafiador. Diante disso, é crucial manter-se aberto a muitos nomes, mesmo que eles não fiquem impressionados.

Resumo: nunca use “amar” um nome como critério de seleção. Mesmo que um nome inspire uma resposta apaixonada em você, pode evocar uma emoção diferente em seus clientes.

Os grandes nomes não precisam marcar todas as caixas

A conscientização desses conceitos errôneos sobre nomes é o primeiro passo para eliminá-los. E eliminá-los é o que você deve fazer.
Como aprendemos com a experiência de nosso cliente em dificuldades, esses conceitos errôneos não são benignos: além de causar paralisia de seleção, eles podem cegar as partes interessadas para nomes potencialmente fantásticos e aumentar drasticamente o custo da nomeação.

 

Referência